Categories
Coronavírus / Covid-19 Bem Estar Notícias Matérias

Respirador criado pela USP é aprovado em testes

O ventilador pulmonar criado por um grupo de engenheiros da Politécnica da USP foi aprovado em testes com humanos. O respirador serve pra ajudar as pessoas com sintomas graves de covid-19, já que a doença afeta o pulmão. Depois dos testes, o respirador nacional segue pra aprovação da Anvisa.

Um grupo de 40 profissionais de diversas áreas se juntaram pra desenvolver um respirador emergencial com baixo custo e baixo preço de mercado pra ajudar a suprir a demanda dos respiradores nos hospitais. O ventilador chamado de Inspire foi aprovado em todos os testes.

Muitos países têm investido muito nos ventiladores pulmonares já que eles têm sido a chave pra ajudar pessoas com consequências piores do novo coronavírus. Por causa da demanda, eles estão cada vez mais caros. Estima-se que o respirador mais barato hoje em dia seja de R$ 15 mil e o produzido pela USP custa apenas R$ 1 mil e leva apenas duas horas pra ficar pronto.

De acordo com o G1, o Brasil tem cerca de 61 mil respiradores disponíveis somando a rede pública de saúde e a privada e a estimativa é que sejam necessários 400 mil respiradores pra ajudar na demanda crescente dos casos mais sérios do novo coronavírus.

O aparelho foi testado entre os dias 13 e 14 de abril em pacientes do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas, em São Paulo, e agora segue pra aprovação na Anvisa, e caso seja aprovado, pode ser comercializado.

Para mais informações, acesse a página da Poli-USP sobre o projeto Inspire.

Categories
Coronavírus / Covid-19 Bem Estar Matérias

Favela sem corona: site mostra os surtos de covid-19 no RJ

Pra você que é do Rio de Janeiro e quer estar atualizado com as informações do coronavírus (covid-19) das favelas, o site favelasemcorona.com é o canal. Com uma linguagem bem simples, eles te apresentam os dados das regiões, quantas confirmações, quantos óbitos e pelo gráfico dá pra entender qual a situação real do Rio. Vale reforçar que você pode apoiar a ação com doações.

View this post on Instagram

Zona norte é o novo epicentro de Covid-19 no RJ ❗ Especialistas apontam que o crescimento no contágio e nas mortes são um impacto do descumprimento das recomendações relacionadas ao isolamento social. Os idosos ainda são os mais afetados em questão de letalidade, correspondendo mais de 70% dos óbitos ocorridos. De 142 bairros na região fluminense atingidos pelo coronavírus , aproximadamente 83 encontram-se na zona norte do município. O ideal nesse momento é visualizarmos os dados dessa postagem como um grande alarmante, afinal, especialistas concluem que o aumento de mortes terá um aumento exponencial, caso o isolamento seja deixado de lado, que é exatamente o que vemos nos últimos dias. Nas últimas semanas já tivemos um aumento nas mortes e contaminações em favelas do Rio o que torna ainda mais preocupante toda essa disseminação desenfreada. Precisamos de consciência e acima de tudo ISOLAMENTO. Vamos evitar o aumento nesses números e salvar a vida daqueles que amamos; nesse momento não podemos vacilar e colocar mais vidas em riscos. Se liga, Favela! #favelasemcorona #rjunidocontraocorona #covid19 #periferiasemcorona #laveasmãos #fiqueemcasa #guetoemação #unidoscontraocovid #missaocovidzero #ministeriodasaude #136 #dadoscovid19 #rjsemcovid #periferiacontraocorona

A post shared by Favela sem Corona (@favelasemcorona) on

Além do site, o grupo mantém o instagram bem atualizado com todas as ações que estão acontecendo, informativos, mensagens de apoio e até conteúdo para quem está em casa de quarentena.

View this post on Instagram

Como equilibrar as contas em meio a epidemia Hoje é dia de conversar com quem entende de contabilidade e pode nos ajudar a se organizar nesse momento de crise. Nosso encontro começa às 19 junto com @empoderamentocontabil para conversar sobre como manter os boletos em dia em meio a situação que estamos passando. Nossa convidada é Contadora pela Faculdade Mackenzie Rio, pós-graduada em Business Intelligence pela Universidade Anhembi Morumbi e especializada em Corporate Finance pela Ohio University. Mulher negra e nascida em Duque de Caxias, Ludmila entende que sua missão é retribuir o conhecimento que conquistou ao longo de sua formação, em Gestão Financeira e Contábil, fortalecendo mulheres de periferias do Rio de Janeiro. Como Diretora Executiva da Empoderamento Contábil (startup criada por ela em 2017), atua na realização de eventos gratuitos que promovem conscientização, treinamento em Finanças Empresariais / Noções Básicas de Contabilidade (que já alcançaram mais de 1.500 mulheres e têm como base os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável 5 e 10, definidos pela ONU) e no desenvolvimento de Soluções Contábeis para gestão de micro e pequenas empresas. Como acompanhar? A live será aqui no nosso Instagram! Cola com a gente e assista! Se quiser conhecer mais do nosso trabalho e nos apoiar, acesse: www.favelasemcorona.com #FavelaSemCorona #CoronaVirus #coronaviruschina #Live #auxilioemergencial #governocorona #favelacovid #periferiasemcorona #contasemdia

A post shared by Favela sem Corona (@favelasemcorona) on

Na sexta-feira, a influencer Ludmila Hastenreiter fez um live explicando como manter as contas em dia no meio dessa crise, afinal, muita gente deixou de trabalhar, teve o comércio afetado e isso impacta diretamente no orçamento da casa. Vale muito a pena saber se organizar pra passar melhor por essa crise. Lembrando, que o governo federal já começou os cadastros para fazer o pagamento do auxílio de R$600, veja se você faz parte do grupo e se cadastre.

Se você é do Rio, tem colega no Rio ou quer saber como anda a situação, acesse: favelasemcorona.com

Aproveite para seguir o grupo nas redes sociais: Twitter // Facebook // Instagram

Categories
Coronavírus / Covid-19 KondZilla Bem Estar Matérias

KondZilla e UNICEF se unem para tirar dúvidas de jovens de favela sobre o coronavírus

A KondZilla e o Fundo das Nações Unidas para Infância (UNICEF) se juntaram em uma parceria de peso, convidando profissionais de saúde para instruir jovens e adolescentes de favela nos desafios causados pelo novo coronavírus (covid-19). O objetivo do conteúdo é diminuir ao máximo as dúvidas do público e, assim, ajudar todo mundo a se manterem bem durante a quarentena. Cola com o Portal KondZilla e pega a visão.

O primeiro conteúdo foi lançado hoje, 2 de abril, no canal do Youtube Portal KondZilla e traz a chefe de Saúde do UNICEF no Brasil, Cristina Albuquerque, respondendo as dúvidas voltadas a saúde da família, junto do psicólogo convidado, Lucas Veiga, que responde questões sobre saúde mental durante o período de isolamento social em casa.

Afinal, não é novidade para ninguém que as coisas nas favelas são sempre mais difíceis que o normal. Muitos jovens, adolescentes e até mesmo adultos, vivem em condições limitadas, financeiramente e psicologicamente falando. O que diante de uma pandemia e um isolamento social, podem causar diversos problemas como: falta de alimento dentro de casa, produtos de higiene pessoal, dúvida de como cuidar dos parentes idosos neste momento e até mesmo dúvidas nos cuidados com as crianças.

Foi pensando nisso, que a KondZilla e o UNICEF procuraram problemas de jovens e adolescentes para responder. A iniciativa visa diminuir o impacto causado pela pandemia dentro das favelas.

Nascido e criado nas favelas do Guarujá, litoral de São Paulo, Konrad Dantas o fundador da KondZilla, explicou. “Neste momento de crise mundial, é importante ter um olhar especial para todos os grupos, principalmente aqueles com menos informação. A favela possui uma realidade diferente de outros grupos, por isso, a série aborda problemas exatamente de quem é de favela”, disse ele.

Sobre o UNICEF

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) trabalha em alguns dos lugares mais difíceis do planeta, para alcançar as crianças mais desfavorecidas do mundo. Estabelecido em 190 países e territórios, o UNICEF trabalha para para construir um mundo melhor para todos. Saiba mais em www.unicef.org.br

Acompanhe as ações do UNICEF: Facebook // Twitter // Instagram // YouTube // LinkedIn.

Acompanhe as ações da KondZilla no Instagram // Facebook // Twitter // Youtube

Categories
Coronavírus / Covid-19 Bem Estar Notícias Matérias

Hospitais e outras instituições de saúde abrem vagas de emprego em plena pandemia

O crescimento do novo coronavírus no Brasil está mudando a rotina de todo mundo. Isso porque muitas pessoas já estão de quarentena, principalmente, as que são grupos de risco, que estão se afastando dos trabalhos, até mesmo quem trampa em instituições que não aderiram ao fechamento. Isso está fazendo com que as empresas abram novas vagas, algumas temporárias, nesse momento. Caso você seja da área de saúde, essa pode ser uma oportunidade para você.

Infelizmente, o novo coronavírus pode ser letal em alguns casos, principalmente para o grupo de risco: pessoas com mais de 60 anos, pessoas com diabetes, doenças respiratórias e com hipertensão. Por conta desses fatores, algumas pessoas estão sendo afastadas de empresas que não podem fechar.

O Hospital das Clínicas, Albert Einstein e Sírio-Libanês afastaram centenas de funcionários que testaram positivo ou estão com suspeita de coronavírus. Vale lembrar que por mais que essas pessoas se protejam, por conta dos hospitais lotados de casos e possíveis casos, os funcionários também correm um grande risco de pegar a doença.


Hospital da Campanha – Foto: Sérgio Andrade // Governo do Estado de SP

Somando as trocas de funcionários, cobertura de folgas e afins, muitas outras vagas estão surgindo na saúde por conta da alta demanda. Por isso, a Prefeitura de SP abriu 720 vagas de enfermagem. São cerca de 504 vagas de técnicos de enfermagem e 216 de enfermeiros hospitalares. Esses profissionais são destinados para o Hospital da Campanha, que está sendo construído no Complexo do Anhembi e que deve funcionar nos próximos 90 dias para ajudar a acabar com o novo coronavírus na cidade.

Além da iniciativa da Prefeitura, a rede de hospitais Ímpar também está com diversas vagas abertas em várias áreas de atuação e em lugares em SP – e até mesmo fora. Dá uma conferida no site da rede.

E não foram só os hospitais que mudaram de equipe, a Prefeitura anunciou a contratação de mais de 200 sepultadores para os 22 cemitérios públicos da cidade em virtude de que a maioria dos sepultadores terem mais de 60 anos, o que já configura grupo de risco. Além dos novos funcionários, mais de 20 rabecões foram alugados.

O aumento do serviço funerário tem a ver com a mortalidade da doença. Nesta terça (31), são 113 mortes causadas pelo novo coronavírus. A letalidade do vírus, que já matou mais de 31 mil pessoas no mundo, e preocupa especialistas.

Categories
Coronavírus / Covid-19 Bem Estar Histórias que inspiram Matérias

Instituto Resgatando Vidas está distribuindo kits de higiene e cestas básicas nas favelas, veja como ajudar

O momento que estamos vivendo com a pandemia do Novo Coronavírus (Covid-19) está difícil para todo mundo, mas em especial para as favelas, tudo andam três vezes pior. Muitas pessoas com geladeira vazia, sem ter o que comer dentro de casa e sem produtos de higiene básica e pessoal para se proteger e proteger a família do vírus. Por isso, o Instituto Resgatando Vidas, tem feito um trabalho em incrível na região da zona norte de São Paulo e precisa da sua ajuda. Chega com o Portal KondZilla e vamos juntos amparar essas famílias.

Dentro das favela muitas pessoas se alimentam conforme o dia de trabalho, é como se não rolasse aquela coisa da compra do mês, que grande parte da nossa sociedade está acostumada. Sem condições financeiras, é trabalhar para comprar o pão de cada dia, se não tem trabalho, não tem alimentação e isso é justamente o que está acontecendo, com a economia parada por causa da crise do covid-19, as pessoas estão em quarentena com suas geladeiras vazias.

Pensando nisso, o Instituto Resgatando Vidas da rede Gerando Falcões está fazendo um trabalho essencial na zona norte de São Paulo, entregando para as comunidades kits de higiene e cestas básicas. Mas para que esse trabalho continue contemplando vidas dentro das favelas da zona norte, eles precisam da sua ajuda através de doações para manter o projeto. Entenda abaixo como ajudar!

Valores sugeridos

R$20 kit de higiene (Sabonete + álcool Gel)
R$105,00 Cesta (Básica + produtos de limpeza)
R$125,00 kit completo (Álcool + sabonete + alimentos + produtos de limpeza)

Como doar

Para doar você pode fazer a transferência para a conta abaixo:

Banco do Brasil
Agência: 3008-2
Conta Corrente: 34034-0
CNPJ: 31.986.278/0001-03
Razão Social da ONG: Instituto Resgatando Vidas

Entregar você mesmo os Kits de Higiene e Cestas Básica para o Instituto Resgatando Vidas no endereço:
Rua Augusto Gil, 465, Vila Dionisia
CEP 02670-070.

Para quem não quiser sair de casa voluntários do Instituto Resgatando Vidas vai até a sua casa retirar as doações.

Acompanhe Instituto Resgatando Vidas no Instagram

Categories
Coronavírus / Covid-19 Bem Estar Matérias

Psicóloga dá dicas de como se manter bem na quarentena

Em um momento tão complicado quanto o que estamos vivendo, sem saber o que vai ser o dia de amanhã e recebendo tanta informação, é de se esperar que fiquemos abalados. Mas é importante manter a calma e procurar meios de ajudar nossa saúde mental a ficar equilibrada. Por isso, trouxemos um papo com uma psicóloga que atende jovens de favela pelo SUS.

Já mostramos no Portal KondZilla a Dra. Karina Eleutério, que nos explicou direitinho sobre o que é a depressão e como detectar os sinais da doença. Hoje, ela encosta aqui pra falar um pouco sobre a relação entre a saúde mental e o momento de pandemia que estamos vivendo.

Essa situação, de não saber o que vai ser do futuro e quanto tempo vai durar tudo isso, já é algo que desestabiliza a gente, ainda mais se na quarentena tiver que ficar trancafiado em casa. Agora se a casa é pequena e a família é grande, então, é mais coisa pra cabeça.


Foto: Agência Brasil

Cuidados com a limpeza

Seja na quarentena ou não, a higiene é essencial. “Pra quem precisa sair de casa, o mais recomendado é lavar bem as mãos sempre, não tem necessidade de comprar um álcool em gel, basta água e sabão”, indica Karina. “O isolamento na periferia não é algo 100% possível por causa da geografia do lugar, então é preciso sempre limpar bem a casa e higienizar os objetos. Caso alguém da casa esteja com o vírus, essa atenção com a higiene precisa ser dobrada”.

“Outra dica também é não ir em médicos caso não seja estritamente necessário. Se alguém da família é grupo de riscos (idosos, hipertensos, diabéticos ou que tenha doenças respiratórias), é importante que caso precise de remédios, algum parente que não seja do grupo de risco vá buscar os remédios para a quarentena”, indica a doutora.

Manter a rotina

Outro ponto que nos aflige durante esse tempo em casa é não poder fazer as coisas que estamos acostumados no dia a dia, ou até mesmo sentir que não temos nada pra fazer. Por isso, a melhor coisa é tentar transformar tudo em uma nova rotina. “É bom pensar em coisas pra fazer e ter elas bem estabelecidas, como deixar um tempo pra limpeza, outro pra ler, pra fazer algum tipo de exercício, cozinhar”, diz Karina. “Estabelecer uma rotina faz com que a gente se sinta mais como nós mesmos e que ainda temos coisas pra fazer durante os dias”.

Se você tem criança em casa, é importante também manter uma rotina com ela até pra criança cansar e conseguir dormir a noite. “É legal pensar em algumas brincadeiras, se possível, mesmo com coisas de casa mesmo, as crianças adoram”, indica Karina.

Ficar bem

Como falamos lá em cima, esse é um momento muito delicado, com muitas incertezas e muitos anseios. Por isso, é preciso cuidar da mente, já que somos constantemente bombardeados de notícias. “É interessante fazer coisas que nos faça bem e que nos dê esperança, como organizar fotos antigas, rever histórias, fazer um bolo, tentar ajudar algum vizinho em alguma tarefa, como ir comprar comida… essas coisas que nos ajudam a exercer nossa compaixão”, recomenda Karina.

“Também é legal manter contato com os amigos, fazer ligações, videochamadas se possível, assistir filmes ou programas leves, ler livros que gostamos. Tudo que seja entretenimento é bom pra ajudar a gente a descansar a cabeça”.

A Dra. Karina ainda explica que nesses momentos, é importante que a gente também tenha um pouco de estresse. Parece esquisito falar isso, mas faz total sentido. “Um pouco de estresse com tudo isso é bom porque ele que vai nos fazer prestar atenção nos cuidados da prevenção”.

Apesar de ser difícil, precisamos pensar positivo, que tudo isso vai acabar em breve, que todas as pessoas vão ficar bem.

Atendimento online

Algumas pessoas já estão familiarizadas com atendimento psicológico online. É possível fazer por Skype ou qualquer videochamada. É uma prática normal e regulamentada, apesar de não ser tão comum. “Nesse momento de isolamento, a comunicação online ajuda. A conversa pode ser feita até mesmo por ligação nesse caso”, diz Karina.

Nesse momento, além de vário psicólogos estarem aderindo ao atendimento online, muitas iniciativas estão rolando de forma gratuita para ajudar o psicológico do pessoal durante essa quarentena. Vamos listar alguns aqui pra você conhecer:

– A Chave da Questão
Com atendimento online, videoaulas e agora lives especiais com diversos temas relacionados ao confinamento por causa do coronavírus. Site // Facebook

– IPQ
Atendimento gratuito para idosos acima de 60 anos. Site

– Centro de Valorização à Vida
O CVV é especializado em prevenção ao suicídio e pode te auxiliar com chats, ligações e por e-mail. O telefone é 188

Em uma época tão complicada como essa, precisamos cuidar da nossa saúde física e mental. O que te faz bem e te ajuda a relaxar? Reserve um minuto do seu dia pra se cuidar e assim conseguir aguentar esse momento tão delicado.

Categories
Coronavírus / Covid-19 Bem Estar Matérias

“Ainda lutamos pelo direito à água”, #COVID19NasFavelas do Rio, saiba como ajudar!

No domingo dia 22 de Março a Prefeitura do Rio confirmou o primeiro caso de Covid-19 em favelas da capital fluminense. O paciente mora na Cidade de Deus, na Zona Oeste da cidade. No dia seguinte, o RJTV2, telejornal local da Globo, revelou os números de casos suspeitos em favelas. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde seriam 63 casos suspeitos nas seguintes favelas e comunidades carentes do Rio de Janeiro: Cidade de Deus (19), Rio das Pedras (10), Manguinhos (8), Jacarezinho (7), Complexo do Lins (4), Jacaré (2), Parada de Lucas (2), Acari (1), Complexo do Caju (1), Complexo da Maré (1), Complexo Pedreira (1), Complexo São Carlos (1), Mangueira (1), Rocinha (1), Vidigal (1) e Vilar Carioca (1).

A proliferação do vírus em favelas é preocupante pois as principais medidas de prevenção, lavar as mãos e distanciamento social, não são sempre uma opção. As favelas do Rio de Janeiro carecem de saneamento básico adequado e sofrem com abastecimento irregular de água. Pelo twitter o ativista Raull Santiago do “Coletivo Papo Reto” do Complexo do Alemão, denuncia: “Na favela, só cai água duas vezes por semana. Nós economizamos água não apenas por consciência, mas também por sobrevivência. Lavar a mão o tempo inteiro, não é uma possibilidade. Ah, na minha casa são seis pessoas. Ainda lutamos pelo direito a água aqui”.

A alta concentração demográfica, com famílias inteiras ocupando, as vezes, um único cômodo e a arquitetura das favelas, com casas empilhadas em cima das outras complica o tal distanciamento social.

Faixa no Complexo do Alemão

A estudante Moana Couto da Favela do Aço, na Zona Oeste, explica que a situação lá é muito precária. “A maioria das casas são pequenas e moram 6 ou 7 pessoas pra cima, o que aumenta muito o contágio do vírus. Além de ter muitas crianças, também tem muitas pessoas do grupo de risco, podendo ser uma situação bem grave se continuar da forma que está.” A estudante conta que ainda há muitas pessoas e festas acontecendo nas ruas, assim como o comércio que continua aberto. “A galera daqui (Cesarão) e da Favela do Aço não estão conscientizadas. No Aço, as crianças têm ficado nas ruas expostas como normalmente vivem todos os dias. Algumas estão falando que isso é doença de rico e que não pega em pobre, mesmo alertando, o discurso é esse.”

Outra grande questão é a econômica, Boa parte da população das favelas é ou trabalha no comércio informal ou é prestador de serviço autônomo, e com a quarentena o trabalho simplesmente acabou. No Complexo do Pavão-Pavãozinho e Cantagalo (o famoso PPG), entre Copacabana e Ipanema, muitos trabalham como vendedores ambulantes ou nas barracas de praia, e agora foram afetados com o decreto que proíbe a utilização das praias. Erivelto Melchiades é bacharel em direito e morador do Cantagalo, ele tem um irmão que trabalha numa barraca de praia que explicou “os barraqueiros serão isentos da taxa da prefeitura TUAP, quem é cadastrado deve receber entre R$200 e R$500. Agora quem é informal ta tendo que contar com a sorte para se virar….”.

Faixa na Grota, Complexo do Alemão.

Preocupados com essas questões, coletivos e indivíduos de várias comunidades estão realizando várias campanhas, para conscientizar a população, e ajudar a comprar água, sabão, álcool em em gel e alimentos para famílias em dificuldade. O pessoal dos coletivos Maré Vive, Maré 0800 e AmarÉvê estão apostando na comunicação para conscientizar a população. “A comunicação comunitária é uma ferramenta fundamental para informar os e as moradoras de favelas sobre os riscos da epidemia do coronavírus. Afinal, nem todos e todas têm acesso aos grandes veículos de comunicação, acesso à leitura, internet… Já iniciamos as ações do nosso plano de comunicação: gravamos áudios para as rádios postes e rádios comunitárias, alugamos carros de som para circular nas ruas, imprimimos e distribuímos cartazes em igrejas, bares, todo o comércio, associações e instituições, produzimos faixas para em locais de grande circulação, além de cards e vídeos com profissionais de saúde local para as redes sociais.”

Faixa na Vila Jacarézinho

Seja na laje ou no quintal, o covid-19 não vê cor ou classe. Então, vamos sim lavar as mãos obsessivamente, praticar a higiene básica, o isolamento social dói um pouquinho, mas em breve tamo voltando ao normal.

Links para Campanhas para ajudar as favelas do Rio de Janeiro.

Campanha do Coletivo Papo Reto, do Complexo do Alemão.

Campanha “Pandemia com Empatia” d’A Voz das Comunidades.

Mobilização Coletiva da Favela do Aço – Vila Paciência.

Campanha “Complexo da Maré contra o Coronavírus“, dos coletivos MARÉ Vive, MARÉ 0800 e AmarÉvê.

Campanha #Covid19nasfavelas da rede Meu Rio em prol do Coletivo Fala Akari e coletivos do Complexo da Maré, Complexo do Alemão, Duque de Caixias, Santa Cruz e conunidades do Viradouro e Niteroi.

Campanha da Central Única das Favelas.

Orientações Para Favelas e Periferias sobre o Covid-19 – Documento desenvolvido pelo Grupo de Trabalho de Saúde da População Negra da Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (SBMFC) e Associação de Medicina de Família e Comunidade do Rio de Janeiro (AMFaC-RJ)

Assista também:

Categories
Coronavírus / Covid-19 Bem Estar Matérias

Teste online do SUS te ajuda a saber se você está com coronavírus

Com o crescimento do covid-19, muitas pessoas já estão desesperadas com medo de contrair a doença. O momento agora é seguir as recomendações de prevenção, como evitar sair de casa, caso não seja extremamente necessário, e higiene acima de tudo. Se você começar a ter sintomas do coronavírus, é importante saber quando é preciso ir ao hospital, por isso vamos te explicar algumas coisas sobre os sintomas da doença.

Sintomas

É preciso ficar atento aos sintomas: febres, tosse, falta de ar e dores musculares. Se você analisar, esses são sintomas frequentes de uma gripe normal, então é importante ter a noção se você compareceu em algum lugar com muitas pessoas, algum conhecido testou positivo para o coronavírus e coisas nesse sentido para realmente pensar nessa hipótese de ter contraído o vírus.

Muitas pessoas jovens vão acabar contraindo o vírus e não vão ter sintomas, ou vai ser algo muito leve que não vai despertar a dúvida. Por isso a quarentena é importante, para caso você tenha o vírus, não repassar para quem está no grupo de risco.

Quando procurar um médico?

Conforme os casos vão aumentando, os hospitais estão ficando superlotados de pessoas que têm qualquer tipo de sintoma, tipo, espirrou e já vão pro médico.

Se você está com dúvida se está com o covid-19 ou não, o SUS criou um aplicativo especialmente pra isso. No app, você faz uma triagem inicial pra saber se é necessário ir ou não fazer o teste.

Vale ressaltar que quem pode fazer quarentena, deve fazer. A melhor prevenção no momento é ficar em casa e se cuidar.

Apresentou algum sintoma? Verifica se teve alguma situação em que possa ter se contaminado e nada de desesperar. O teste virtual te ajuda nesse momento importante.

Para baixar o app iOS clique aqui.

Para baixar o app Android clique aqui

Categories
Coronavírus / Covid-19 Bem Estar Histórias que inspiram Matérias

CUFA pede doações para aumentar combate contra Covid-19 nas favelas do Brasil

A CUFA, Central Única das Favelas, pela primeira vez em seus 21 anos de trabalho está pedindo doações para ajudar os moradores das favelas espalhadas por todo o país. Estamos vivendo uma situação sem precedentes de uma epidemia. Os moradores de favela são o grupo com mais vulnerabilidade pois carecem de saneamento básico, possuem residências com poucos cômodos (o que prejudica o isolamento) entre outros problemas. Por isso, em conjunto com outras organizações, a CUFA quer aumentar os cuidados dessa população.

Ontem a CUFA lançou o videoclipe “O Mundo Parou” com a campanha #favelacontraovírus. A música foi escrita por: Dudu Nobre, Edi Rock (Racionais Mcs), Dexter, Ivo Meirelles, e tem vários artistas cantando, como: Alcione, Xande de Pilares, Péricles, Karol Conká, Ferrugem, Pretinho da Serrinha, Sandra de Sá, Grupo Bom Gosto, Mumuzinho e o MC Menor MR – que canta a música da Taça das Favelas, campeonato criado pela CUFA.

“Estamos com o nosso bloco na rua, neste momento de tensão. São milhares de voluntários da CUFA em todo o Brasil. Queria muito estar em casa, mas se aqui na minha favela vai ser um caos, temos que ajudar a conscientizar”, conta Mário Love da CUFA da Vila Kenneddy, Rio de Janeiro.

“A situação é muito séria”, adianta Claudia Rafael da CUFA Paraisópolis, São Paulo. “Muitos moradores de favela ainda não caíram na real e não estão cumprindo a quarentena como deveriam. Estamos colocando toda a nossa força na conscientização deles, para que juntos a gente possa vencer mais essa luta”.

“São aproximadamente 15 milhões de moradores de favela em todo o território nacional. Muitos deles não podem deixar de trabalhar, e ainda transitam pelas ruas se expondo ao risco do contágio”, reforça a Kaline, da CUFA Paraíba. “A CUFA vai contribuir de todas as formas possíveis para que o impacto do Coronavírus seja mínimo nas favelas brasileiras. Essa é nossa luta, faça parte dela também”.

Todo mundo pode ajudar nesta campanha, seja com produtos, seja com doações. O importante é todo mundo fazer a sua parte.

CENTRAL ÚNICA DAS FAVELAS DO RIO DE JANEIRO
CNPJ :06.052.228/0001-01

Bradesco – 237
Ag: 0087
C/C: 3582-3

Itaú – 341
Ag: 0402
C/C: 17369-4

DOAÇÕES PELA VAKINHA ONLINE.
https://www.vakinha.com.br/vaquinha/ajude-a-cufa-a-ampliar-seu-combate-ao-coronavirus

Acompanhe a CUFA pelas redes sociais: Site // Instagram // Youtube

Assista também:

Categories
Coronavírus / Covid-19 KondZilla Bem Estar Matérias

Campanha KondZilla contra o coronavírus

Quer ganhar um videoclipe da KondZilla enquanto ajuda a população na conscientização do covid19, o coronavírus? Foi pensando nisso que a KondZilla criou a campanha #KondZillacontraocorona. Vamos presentear com um videoclipe no maior canal de música do Brasil para quem criar a melhor música de conscientização do covid-19. Você pode falar de tudo: a prevenção, cuidados, sintomas, o que deve se fazer ou não, o importante é passar uma mensagem positiva para as pessoas se protegerem. Veja como participar:

As regras são as seguintes:

– Vamos dar um videoclipe para a melhor letra sobre conscientização e cuidados contra o covid-19.

– Poste um vídeo de até um minuto no Instagram com a hashtag: #kondzillacontraocorona .

– É importante lembrar que o perfil tem que estar público.

– Compartilhe com todo mundo, vamos analisar a melhor letra e performance nas redes.

Atualização em 26/03

– Vamos receber os vídeos até quinta-feira (26/03) segunda-feira, 30/03.

– Terça-feira (31/03) anunciamos os 10 melhores para votação online até quinta-feira 02/04.

– Na sexta-feira (03/04) anunciamos o vencedor.

– A música mais votada ganha um videoclipe!

Gostou da ideia? Então compartilha com seus amigos, espalha pra geral e mostre que se todo mundo fizer a sua parte, conseguimos vencer o covid-19. A KondZilla está fazendo a parte dela, vamos todos lutar contra o covid-19? #kondzillacontraocorona

Assista também: